ARAC
19 Outubro 2018 | 06:02
Notícias
2018-10-18MCoutinho factura 200 milhões e compra BMW de Viseu
A empresa de retalho automóvel, que é detida em 50% pelo empresário angolano Jaime Freitas, tem em curso um investimento de cinco milhões de euros.+
2018-10-18EUROPCAR INOVA E CRIA FORMA DE REGISTO ONLINE QUE SIMPLIFICA A VIDA DOS CLIENTES EMPRESARIAIS
2018-10-17Mobi.E. Carregar o carro elétrico meia hora vai custar entre 3,44 e 8,97 euros
Os postos da Prio são os mais baratos. Nos postos mais caros, da Cepsa, a eletricidade para percorrer 100 km custa tanto como o diesel.+

Notícias



Horas extra deixam de somar ao salário na retenção do IRS
Dinheiro Vivo


Os valores relativos ao pagamento de trabalho suplementar (horas extra, feriados ou dias de descanso) vão deixar de ser somados ao salário mensal quando chega o momento de fazer a retenção na fonte do IRS. Tal como do Dinheiro Vivo já tinha noticiado, o governo criou uma solução que faz com que a remuneração mensal e a que é devida por trabalho suplementar passem a ser consideradas de forma autónoma em relação ao IRS. Esta mesma solução irá também abranger o pagamento de salários relativos a anos anteriores, beneficiando pessoas com salários em atraso.

O modelo que vai ser aplicado ao trabalho suplementar e salários de anos anteriores é semelhante ao que já é adotado quando são pagos os subsídios de férias e de Natal, aplicando-se a cada um a taxa de retenção na fonte respetiva e não a que resultaria da soma do salário e do subsídio – que seria bastante mais elevada. Assim, quando forem pagas remunerações relativas a trabalho suplementar, a taxa de retenção aplicada é a que corresponder aos restantes rendimentos de trabalho dependente auferidos no mesmo mês. Quando estiver em causa o pagamento de remunerações de anos anteriores (salários em atraso), o valor será dividido pelo número de meses a que respeitam e aplicada a taxa correspondente à totalidade desses valores.




Área Reservada
Como constituir uma empresa
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com