ARAC
15 Novembro 2018 | 09:21
Notícias
2018-11-13Web Summit pôs Lisboa na boca do mundo
A Web Summit, que decorreu entre 5 e 8 de Novembro em Lisboa, colocou a cidade no centro das atenções. Em pouco mais de um mês, Lisboa foi citada em 8.195 notícias em meio online de mais e 110 países.+
2018-11-13Salário mínimo acima de 600 euros? “Não é viável”, defendem ‘patrões’
O presidente da CIP – Confederação Empresarial de Portugal, António Saraiva, que em julho admitiu que as empresas poderiam ir além dos 600 euros, considerou que afinal não há condições para ultrapassar esse valor.+
2018-11-13Theresa May e UE chegam a acordo sobre Brexit — ministros já foram chamados para discutirem o documento
Negociadores britânicos e europeus chegam a entendimento para um novo texto que resolve o problema da fronteira nas Irlandas. May marca reunião de emergência para obter aprovação dos seus ministros.+

Notícias



FMI: Europa avança mais devagar e enfrenta mais riscos
Jornal de Negocios


Bruxelas e o FMI estão alinhados: a economia europeia continua a crescer, mas a um ritmo cada vez mais lento e abaixo do previsto. Além disso, os riscos no horizonte estão cada vez mais intensos. Este foi o alerta que o Fundo Monetário Internacional deixou no Regional Economic Outlook sobre a Europa, publicado esta quinta-feira, 8 de Novembro. Uma hora antes, a Comissão Europeia tinha revisto em ligeira baixa o crescimento no horizonte até 2020, e avisado que a realidade se pode revelar "significativamente pior do que o previsto".

"Os riscos para o cenário macroeconómico aumentaram. No curto prazo, tensões comerciais crescentes e um aperto abrupto nas condições financeiras globais podem comprometer o investimento e pesar no crescimento", explica o FMI. "No médio prazo, os riscos resultam do atraso do ajustamento orçamental e das reformas estruturais, dos desafios demográficos, da desigualdade crescente e da redução da confiança nas políticas convencionais", soma ainda a instituição liderada por Christine Lagarde. Além disso, "um Brexit sem acordo conduziria a fortes barreiras comerciais, e não comerciais, entre o Reino Unido e o resto da União Europeia, com consequências negativas para o crescimento", lê-se no relatório.

Perante este enquadramento, o FMI reforça o apelo aos países para acelerarem as reformas estruturais e aumentarem as suas almofadas orçamentais, nomeadamente as economias com dívidas públicas mais elevadas. Do mesmo modo, o FMI argumenta que políticas macroprudenciais direccionadas tanto para o lado dos compradores, como dos bancos que financiam a compra, ajudam a conter os riscos no mercado financeiro, nomeadamente resultantes do aumento do crédito e da subida dos preços da habitação.

Contudo, este tipo de intervenção no mercado não se tem revelado tão eficaz no objectivo de subir os preços das casas e o recurso ao crédito em geral.

Também Pierre Moscovici, comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, tinha avisado durante esta manhã, na apresentação das Previsões de Outono para a União Europeia, que os países se devem preparar. "Há muitos riscos. É muito importante que os políticos tanto aqui em Bruxelas, como a nível nacional,se preparem para lidar com o que quer que o futuro nos traga," disse o Comissário.




Área Reservada
Como constituir uma empresa
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com