Notícias



Eletrificação: "Ninguém pode ficar dependente dos incentivos estatais"
DINHEIRO VIVO


Não tendo um percurso profissional diretamente ligado aos automóveis, Jim Rowan tem a seu cargo a tarefa de fazer da Volvo uma marca cada vez mais na vanguarda da tecnologia e da digitalização, enquanto a própria indústria atravessa um momento marcante em termos de segurança, sustentabilidade e na experiência do consumidor. São precisamente estas as áreas em que Jim Rowan quer trabalhar afincadamente para dar à marca sueca uma posição de destaque naquilo que apelida de mobilidade de nova geração - encapsulada na segurança (tema tão querido à Volvo), mas também sustentável e mais ligada aos clientes.

Com o SUV topo de gama EX90 apresentado recentemente, a Volvo reafirmou o seu compromisso em tornar-se 100% elétrica em 2030. Neste sentido, Rowan antecipa não só a necessidade de as marcas abandonarem a dependência dos incentivos estatais à compra de elétricos, mas também o ponto fulcral de paridade entre os custos dos veículos com motor de combustão e os térmicos. "Ninguém deve ficar dependente dos incentivos dos governos. Ninguém recebe subsídios para smartphones ou computadores portáteis, certo? A certa altura precisamos de chegar ao ponto em que há paridade nos custos com os carros de motor de combustão interna e penso que isso irá chegar em 2025", refere Rowan, cuja franqueza nas respostas denota também outra vivência profissional.

"Eu sou engenheiro e olho para isto do ponto de vista da tecnologia: na minha opinião, a tecnologia leva sempre a melhor. Por vezes, leva mais tempo, mas geralmente quando se tem algo melhor, como aconteceu com os smartphones face aos telefones fixos, a tecnologia vence. Nos automóveis há custos de manutenção menores, mais suavidade e emissões zero nos elétricos e esse é um argumento muito forte de que a tecnologia vai vencer", argumenta, complementando que, na sua ótica, não se pode jogar em dois campos. "Se queremos levar vantagem no mundo da nova mobilidade temos de ser empenhados, sólidos e focados na tecnologia que assumimos - se tiverem uma perna nos motores de combustão interna e outra nos elétricos a bateria, então estão distraídos, não tenho dúvidas. Estamos totalmente empenhados nos elétricos", acrescenta.

O impacto dosoftware

Tendo cumprido grande parte do percurso profissional na tecnologia de consumo, Jim Rowan não considera estar em desvantagem pela aparente inexperiência na área automóvel, argumentando que, enquanto engenheiro, tem a seu favor o facto de "as leis da física não mudarem quer se esteja na indústria da tecnologia, dos aspiradores ou dos automóveis. Penso que a grande diferença entre as indústrias dos automóveis e da eletrónica de consumo é que, nesta, o envolvimento com os consumidores é essencial. A mim, fazia-me alguma confusão que se gastasse 60 ou 70 mil dólares num automóvel, que é o segundo bem mais caro da vida, e que nunca se falasse com o cliente, nem antes da venda, nem depois da venda. Isso tem de mudar. A nova geração que compra online quer envolver-se com a marca, temos de fazer parte dessa conversa. Temos de criar envolvimento com o cliente".

A resposta a todas as questões acaba por ser o software, tendo Rowan a preocupação de dizer que a sua inclusão não substitui o legado dos automóveis. "Somos uma marca automóvel e toda a conversa de sermos uma companhia de software não faz sentido. Fazemos hardware, que são os carros, mas melhoramos o nosso hardware com software de ponta. Por isso, vamos no sentido de nos tornarmos numa companhia de hardware e software. Sinto-me orgulhoso por sermos uma companhia de mobilidade de próxima geração, mas o foco da nossa operação é um produto que leva as pessoas de A para B de forma segura e nos dá liberdade de movimentos", adianta ainda.

Neste aspeto, exemplifica as potencialidades da integração do desenvolvimento de software dentro da própria marca, sobretudo quando aplicado à área da segurança, com o EX90 a estrear um revolucionário sistema LiDAR que pode reduzir os acidentes graves em até 20%. A ambição é, pelo menos, tornar os acidentes fatais com os Volvo cada vez mais raros. "Esse é o objetivo e o que estamos a dizer é que queremos ser a marca mais segura na estrada. Para tal, estamos a usar tecnologia, não só de proteção em caso de acidente, mas também de antecipação e prevenção. Com o EX90 e com o novo LiDAR, sensores e sistemas de câmaras, julgo que iremos reduzir significativamente os acidentes graves até 20%, mas pode ser muito mais do que isso. O que o LiDAR faz e que nunca tinha sido feito antes é permitir uma perceção da estrada até 250 metros mesmo na escuridão ou com o Sol a ofuscar", completa.