Notícias



Inflação em Portugal desce (mesmo) em julho para 3,1%
Idealista


Agora é oficial: a taxa de inflação em Portugal voltou a descer em julho para 3,1%, tendo recuado 0,3 pontos percentuais (p.p.) face a junho (3,4%). Em causa estão dados divulgados esta quinta-feira (10 de agosto de 2023) pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Desde novembro de 2022 que a taxa de inflação está a recuar em Portugal, tendo-se fixado nesse mês em 9,9%.

“A variação homóloga do Índice de Preços no Consumidor(IPC) diminuiu para 3,1% em julho,taxa inferior em 0,3 p.p. à observada no mês anterior. Esta desaceleração está parcialmente associada a um decréscimo de preços verificado na classe dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas”, lê-se no boletim do INE.

Segundo o instituto, o indicador de inflação subjacente(índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) registou uma variação de 4,7% (5,3% em junho). “A variação do índice relativo aos produtos energéticos situou-se em -14,9% (-18,8% no mês precedente) e o índice referente aos produtos alimentares não transformados desacelerou para 6,8% (8,5% no mês anterior)”, indica o gabinete nacional de estatísticas.

Relativamente à variação mensal do IPC, foi -0,4% (0,3% no mês precedente e nula em julho de 2022), tendo a variação média dos últimos 12 meses sido de 7,3% (7,8% em junho).

“O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor(IHPC) português apresentou uma variação homóloga de 4,3%, valor inferior em 0,4 p.p. ao registado no mês anterior e inferior em 1,0 p.p. ao valor estimado pelo Eurostat para a área do Euro (em junho, esta diferença foi 0,8 p.p.). Excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos, o IHPC em Portugal atingiu uma variação homóloga de 6,2% em julho (6,9% em junho), inferior à taxa correspondente para a área do Euro (estimada em 6,6%). O IHPC registou uma variação mensal de -0,4% (0,4% no mês anterior e nula em julho de 2022) e uma variação média dos últimos doze meses de 8,0% (8,4% no mês precedente)”, conclui oINE.