ARAC
24 Outubro 2020 | 12:54
Notícias
2020-10-23QUE FUTURO PARA O TURISMO EM PORTUGAL? SEM NOVO AEROPORTO, DE 2020 A 2024 “NÃO PODEREMOS CRESCER”
A Iniciativa Liberal promoveu, ontem, um debate sobre “Turismo em Portugal – Que futuro? Qual o papel da capital?” +
2020-10-23Bruxelas autoriza Portugal a alocar mil milhões de euros da Coesão para a recuperação económica
A Comissão Europeia autorizou hoje Portugal a reorientar verbas comunitárias dos fundos da política de coesão e alocar mil milhões de euros à recuperação económica da crise gerada pela pandemia de covid-19, combatendo os seus "efeitos adversos".+
2020-10-23Indústria automóvel em Portugal deverá registar uma quebra de 20% em 2020
Ao “Jornal Económico”, dirigentes pedem “apoios conjuntos” para fábricas de Portugal e Espanha. Próximo ano vai iniciar a “transformação” que o sector irá fazer até 2030: aposta na produção de veículos não poluentes e mais tecnologias digitais+

Notícias



WTTC LANÇA NOVO RELATÓRIO SOBRE O FUTURO DAS VIAGENS E TURISMO PÓS-COVID
Publituris


Os consumidores estão a prestar mais atenção à ‘sustentabilidade’ das marcas e os destinos precisam adotar novos protocolos de medidas de saúde e higiene. Estas são duas das conclusões do novo relatório do World Travel & Tourism Council (WTTC), elaborado em conjunto com a empresa de consultoria Oliver Wyman.

O relatório enfatiza a importância de se adotar uma abordagem global coordenada para a recuperação, que possa “aprimorar a atual experiência de viagem, adotando a integração de novas tecnologias e protocolos globais de saúde e higiene para, em última instância, reconstruir a confiança dos viajantes”.

O documento destaca a necessidade do setor público e privado trabalharem juntos para recuperar os milhões de empregos afetados, reconstruir a confiança dos viajantes e construir a resiliência do setor.

De acordo com o relatório, 70% dos viajantes norte-americanos de lazer dizem que reservariam durante o COVID-19 se as alterações de viagens não tivessem custos.

Além disso, mais de nove em cada 10 (92%) consumidores confiam nas recomendações pessoais relacionadas com a saúde e higiene, e 69% dos viajantes citam a limpeza como um componente crítico da resposta à crise de uma marca de viagens. Espera-se, ainda, que os viajantes continuem a prestar atenção redobrada à saúde e higiene, mesmo depois de haver uma vacina COVID-19.

“Isso significa uma necessidade de prontidão para o destino, à medida que as prioridades dos consumidores evoluem, e também a necessidade de adoção de novos protocolos de medidas de saúde e segurança para acompanhar a evolução da procura que estamos a observar”, refere o WTTC.

A digitalização foi fundamental durante a pandemia de COVID-19. “Dada a mudança para o teletrabalho, bem como os bloqueios de viagem em todo o mundo, houve uma rápida mudança para a digitalização, com as pessoas cada vez mais confortáveis com uma experiência de viagem sem contato. O relatório revela que esta tendência veio para ficar com quase metade (45%) dos viajantes a dizer que estão prontos para mudar de passaportes em papel para uma identidade digital”.

Além disso, quase três quartos (73%) dos consumidores afirmam estar atentos às marcas que estão a fazer a diferença durante o COVID-19,revelando cada vez mais atenção com a sustentabilidade.

Gloria Guevara, presidente e CEO da WTTC disse: “Esta pesquisa abrangente abre o caminho para a recuperação do setor de viagens e turismo. Embora ainda haja trabalho a ser feito, isso dá-nos uma ideia de como podemos abordar da melhor forma a recuperação e oferece uma visão e esperança para o setor. É fundamental que continuemos a aprender com as crises anteriores e nos unamos de forma coordenada para fazer uma diferença real na redução do impacto económico e humano”.

Matthieu De Clercq, partner da Oliver Wyman, disse “O setor de viagens e turismo já é responsável por um em cada dez empregos em todo o mundo e continuará a ser fundamental para o desenvolvimento económico de muitas economias. Criar oportunidades inclusivas para mulheres, jovens e minorias não só faz sentido economicamente, mas também é o que os turistas do futuro desejam, especialmente pós-COVID”.

“É imperativo ir além da crise e continuar a apoiar a mudança sistêmica na indústria para aumentar sua resiliência a choques futuros e melhorar seu impacto socioeconômico positivo.”




Área Reservada
EMPRESAS JÁ DETENTORAS DO SELO "CLEAN & SAFE"
PEÇA AQUI O SEU SELO "CLEAN & SAFE"
Quer Alugar Carro?
Siga-nos
Seara.com